Os cientistas alertam há muito tempo que a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera deve permanecer abaixo de 450 partes por milhão, para evitar mudanças climáticas potencialmente catastróficas. Em 2016, o ano mais quente já registrado, a concentração passou de 400 partes por milhão e estava aumentando cerca de duas partes por ano. O Acordo de Paris sobre mudança climática entrou em vigor naquele ano e visa limitar o aquecimento a bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais, fazendo com que os países reduzam voluntariamente as emissões de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa. Em 2018, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas avisou sobre o impacto ambiental se as emissões não forem reduzidas o suficiente para impedir até 1,5°C de aquecimento. Este briefing é baseado na opinião de uma ampla gama de especialistas da Rede de Especialistas do Fórum Econômico Mundial e tem parceria com a Universidade de Yale.

ENERGIA
LIMPA

CUSTO SOCIAL
DO CARBONO

TERRA
SUSTENTÁVEL

COALIZAÇÕES+
CLIMÁTICAS